segunda-feira, 19 de outubro de 2009

de pontos corridos para mata mata Mudança vai gerar retrocesso

Fabrício acredita na saída de Adilson em 2010, mas treinador mantém indefinição

Diretoria celeste teria oferecido renovação até 2011, mas técnico aguarda o término do Campeonato Brasileiro








Mudança vai gerar retrocesso


HUMBERTO PERON


Se aprovada a mudança de regulamento do Campeonato Brasileiro de pontos corridos para a volta do sistema com "mata-mata", o nosso futebol estará dando um gigantesco passo para trás. Não tenho dúvida de que a mudança no Nacional vai terminar com qualquer esperança de que os nossos clubes possam finalmente ter um mínimo de organização, ser viáveis economicamente e se planejar durante uma temporada.

Só interessa a mudança para clubes que sempre mascararam seus resultados por campeonatos com regulamentos absurdos que nem sempre premiaram as melhores equipes. Acho que já escrevi isso aqui neste espaço, por isso vale a pena lembrar. No Campeonato Brasileiro já tivemos distorções absurdas.

- Em sete oportunidades, nas edições de 1974, 1977, 1981, 1983, 1985, 1986 e 1992, o vice-campeão brasileiro acabou fazendo mais pontos que o clube que ficou com a taça. O pior aconteceu com o Atlético-MG, em 1978, e com o Internacional, nove anos depois, que mesmo fazendo mais pontos do que o campeão terminaram apenas na terceira colocação.

- Em uma oportunidade em que o vice-campeão brasileiro terminou o Brasileiro invicto. Foi em 1977, quando o Atlético-MG, em 21 jogos, conseguiu 17 vitórias e empatou em quatro. Na final, contra o São Paulo, o time, jogando no Mineirão, mesmo com a excelente campanha --aproveitamento de 90,4%--, não teve direito a nenhuma vantagem e acabou perdendo o título numa traumática decisão por pênaltis.

- Foi de 13 pontos a diferença entre o primeiro colocado, São Paulo, e o Santos, oitavo, na fase de classificação do Brasileiro de 2002. Nas quartas de final, o time santista, comandado por Emerson Leão, e com as revelações Diego e Robinho, eliminou o time do Morumbi com duas vitórias --3 a 1 (na Vila Belmiro) e 2 a 1 (no Morumbi). Embalado com a vitória sobre o melhor time do campeonato, o Santos eliminou o Grêmio nas semifinais e ficou com o título após bater o Corinthians.

- Apenas uma derrota teve o Corinthians na edição de 1993. Mesmo assim, não conseguiu chegar à decisão do torneio. O pior é que a única derrota do clube, que era comandado por Mário Sérgio, foi para o Vitória-BA, time que se classificou para a fase semifinal após vencer uma repescagem.

Talvez a grande contribuição do sistema de pontos corridos ao futebol brasileiro esteja no fato de que as equipes perceberam que só com planejamento podem conquistar o título do campeonato. Não existe a mínima possibilidade de um time ganhar o torneio sem ter um elenco bem formado, com suplentes de qualidade e um departamento médico e físico à altura.

Temos várias equipes que aproveitaram bem o período dos pontos corridos. São exemplos disso o Internacional, o Grêmio, o Atlético-MG e o Cruzeiro, que se reestruturaram e voltaram a ser protagonistas do nosso futebol. Também é sempre bom dizer que o torneio em pontos corridos valorizou a Série B, que se tornou muito mais atrativa quando também passou a usar o mesmo regulamento da primeira divisão, pois passou a premiar os times mais estruturados com o acesso.

O campeonato de pontos corridos também acabou com o mito que nós temos dez ou doze postulantes ao títulos. Isso acontecia de modo artificial no sistema de "mata-mata".

Também é temerário que com o nível de arbitragem que temos atualmente uma partida possa decidir um campeonato. Aí sim, um erro vai decidir um torneio. Já nos pontos corridos, na média, os erros são diluídos durante todo o campeonato.

Dizer que a fórmula não agradou ao público também é outra falácia. A média de público no torneio de 2002, último com mata-mata, foi de pouco mais de 13 mil pessoas. Atualmente a média é de quase 17 mil pessoas --mesmo com clubes sem grandes torcidas como Barueri e Santo André. É nítido o crescimento de assinaturas do pay-per-view e a TV, que dizem ser a maior interessada na mudança --isso não é verdade que já que vários clubes também pressionam para a mudança-- aumentou o valor dos direitos de compra do Campeonato Brasileiro.

Outra besteira dita é que o torcedor brasileiro adora finais. Pode até ser. Mas a sede de torneios "mata-mata" dos fãs já é saciada nos Campeonatos Estaduais, na Copa do Brasil e na Taça Libertadores. Também é um mito que os pontos corridos acabam com os times que têm poder de crescer no momento decisivo. Pelo contrário, isso só aumentou, pois agora todas as partidas valem e os jogadores e os times precisam jogar cada partida como se fosse uma decisão. Muitas vezes, uma derrota na primeira rodada faz um diferença no final do torneio.

Não podemos esquecer que a volta do "mata-mata" vai complicar ainda mais o nosso calendário já que o torneio vai precisar de mais datas. Também fica inviável uma fase de classificação tão grande com 38 jogos para cada clube. Teremos casos que muitas partidas não terão o mínimo atrativo para o torcedor.

Como sempre, alguns dos nossos dirigentes pensam muito em curto prazo. Agora, por alguns milhões de reais, vão jogar fora a oportunidade de organizarem. O torneio com "mata-mata" só serve para transformar dirigentes medíocres em heróis por algum tempo.


Selo peixe Grande 2009

10 comentários:

  1. essa é uma parte da entrevista de ricardo teixeira

    "Não adianta discutir por etapa. Quer discutir, vamos discutir calendário, implementação do calendário europeu, vamos analisar o horário dos jogos. Estamos fazendo testes na Série B, com excelentes resultados. Quem sabe a gente não modifica o horário dos jogos? Pelo menos no meio de semana tem de ser estudado. Se vamos discutir, vamos discutir o todo. Os argumentos que usam contra os pontos corridos, dou 80 mil argumentos a favor. Estamos com 290 jogos, público médio de 17 mil pessoas - isso é média de Campeonato Francês -, com tendência de crescer mais ainda. Como presidente da CBF não posso só ficar preocupado com índice de TV. Tenho de ficar preocupado com o torcedor no estádio também. Não adianta fazer jogo para estádio vazio (Mas quem paga a conta não é a TV?, o presidente é indagado). Há um exagero. Não se pode dizer que Nike, Ambev, Vivo e Gillette pagam a conta da CBF. Não pagam. Elas trocam com a CBF. A CBF entrega a elas uma seleção brasileira vencedora para associar a marca deles, e eles nos pagam por isso. Isso é um negócio, é uma troca

    ResponderExcluir
  2. falta de ética de diretores um tiro que sai pela colatra
    o meu blog é cruzeirense mais eu não podía deixar passar em branco as ... trapalhadas da diretoria do são paulo

    você ainda acredita que o são paulo se classifica para a libertadores ?

    visite também http://msn.lanceactivo.com.br/Home.aspx?profileID=12277
    esse é o meu blog no lance comente lá

    ResponderExcluir
  3. até o ricardo teixeira é contra essa mudança , se tudo que foi feito para moralizar o campeonato brasileiro voltar a estaca zero por capricho da globo que vem perdendo espaço na mídia , ela que pare de investir em futebol e vá fazer novelas , futebol não é uma mine série da globo para eles dirigir como bém entende ,
    e concordo plenamente com o ricardo teixeira em mudanças de horários para jogos principalmente os de meio de semana .
    será que a globo vai ditar também os horarios de jogos da copa do mundo no brasil ?
    já imaginaram um brasilx italia em uma quarta feira no morumbi em dia de chuva as 21:45 ?

    ResponderExcluir
  4. Não gosto de me ater à questão do mérito esportivo para defender os pontos corridos. Afinal, se um time quiser ser campeão, tem de estar preparado para bater todos os adversários, independentemente do formato da competição. E, além disso, regras são regras. Se estão combinadas desde o início, que o time se prepare a elas e vença.

    O que discuto, realmente, é a questão financeira entre as diferentes fórmulas. Para um patrocinador, qual fórmula é mais interessante?

    Nesse caso, a balança pende mais para o lado dos pontos corridos. Diferentemente do mata-mata, o torneio em turno e returno garante ao patrocinador a realização de 19 jogos do clube em seus domínios. Isso facilita o planejamento de ações por parte de clube e empresa. Se eu quiser criar uma promoção válida apenas para as rodadas 10 e 36, eu posso planejar com antecedência. E meu time com certeza estará na disputa.

    O torneio mata-mata, pela imprevisibilidade maior que tem, não permite um planejamento de longo prazo do patrocinador. Nao dá a ele a certeza de que o time estará em exposição até o término do campeonato. Nos pontos corridos, mesmo sem a chance de conquista de título, um time pode fazer uma partida decisiva, que dê boa visibilidade ao seu patrocinador, por exemplo.

    ResponderExcluir
  5. Tudo se deve a MARRON Rede Globo.
    è notório, que jamais uma MERDA do RJ, vai sagrar-se Campeão Brasileiro, em Campeonato de Pontos Corridos.
    Os Clubes do RJ, são amadores, todos estão falidos.
    Caso isso venha se concretizar: Será o caos do Futebol Brasileiro.
    É como vomitar e engirir o vomitado.
    As veses sinto repúdia, de ter nascido nesse país de MERDA.
    ÔH....Paízinho de gente safada e corrúpta.

    ResponderExcluir
  6. Além de Conca, outro jogador que está com seu nome envolvido com o Cruzeiro é o atacante Kieza. Segundo informações, empresários teriam oferecido o jogador à Raposa, que ainda estuda a possibilidade de contratação.

    Kieza tem vínculo com o Fluminense até março de 2010. Atualmente, ele está se recuperando de uma torção no tornozelo direito e ainda não tem uma previsão de volta do departamento médico.

    É o segundo jogador do Fluminense às voltas com o Cruzeiro. Conca também desperta o interesse da Raposa, embora o procurador do argentino, Hugo de Benedetti desconverse sobre o assunto.

    ResponderExcluir
  7. Infelizmente a TV detentora dos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro de Futebol Profissional esta prestes a fazer uma proposta, eu diria, indecente. A volta dos "mata-mata" nos próximos campeonatos. De acordo com o jornalista Juca Kfouri a fórmula seria a seguinte:



    "A fórmula que a Globo Esporte quer para o Campeonato Brasileiro é a seguinte:

    Torneio em pontos corridos, em dois turnos, todos contra todos.

    Os três primeiros garantem vagas na Libertadores.

    Para se apurar o campeão, no entanto, um mata-mata entre os oito primeiros.

    Caso um dos três primeiros da fase dos pontos corridos ganhe o título, o quarto fica com a outra vaga da Libertadores.

    Caso o campeão venha a ser o quinto, o sexto, o sétimo ou o oitavo, este fica com a vaga."



    Se tudo isso for verdade eu lamento muito pelo nosso futebol, principalmente por aqueles clubes que se reorganizaram após a introdução dos pontos corridos no Brasil; como são os casos de Cruzeiro, São Paulo, Goiás, Santos e recentemente o Atlético-MG.



    Tomara que essa idéia maluca e fora de hora não siga em frente. Para o bem do nosso futebol!

    ResponderExcluir
  8. Zirlei o seu texto é primoroso, cabe tranquilamente em uma tese universitaria.
    Mas convenhamos, o dinheiro é o combustivel da humanidade e a rede Globo vai mover montanhas, pra mudar as regras.
    E principalmente pra alavancar o claudicante futebol carioca, que creio eu jamais ganharão um torneio de pontos corridos.

    ResponderExcluir
  9. acho que não katitu talvez eu coloque uma matéria onde o propio ricardo teixeira discorda da mudança .e faz críticas aos patrocinadores e se coloca contra ao retrocesso

    ResponderExcluir

"Se todas as batalhas dos homens se dessem apenas nos campos de futebol, quão belas seriam as guerras".